jump to navigation

Bookes: realize seu sonho de ser escritor 08/03/2010

Posted by admivan in interessante, Internet, Leitura.
Tags: , ,
add a comment

“Com o Bookess você pode realizar seu sonho de ser escritor, assim como o Guitar Hero realiza o de ser músico.

– Update or Die – HSM

conheça
http://www.bookess.com/

MEME 5 19/05/2009

Posted by admivan in Blog e Eu.
Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,
1 comment so far
Meme 5
A Joyce me indicou pra fazer esse meme super legal.

Bom, aí vai

5 coisas de até R$ 5,00 sem as quais não posso viver

Pão (todo mundo diz isso)
Sit Pass
Canetas
Lanchinho da tarde
Sinuquinha


5 filmes favoritos
Pequena Miss Sunshine
O vidente
O buraco
Piratas do Caribe (todos eles)
Segundas Intenções


5 nomes de bebês que eu amo:
Informação irrelevante!


5 músicas que adoro:

Black Sheep – Sonata Arctica
Whisky para um condenado – Matanza
For you i will – Teddy Geiger
Gravenimage – Sonata Arctica
Shamandalie – Sonata Arctica


5 acontecimentos importantes da minha vida:
Entrar na Faculdade
Publicar meu livro
Conhecer a Bárbara
Entrar para a AIESEC
Se mudar pra Goiânia


5 obsessões…
Namorada
Administração
Livros
AIESEC
Amigos


5 lugares que quero conhecer…
Austrália
Leste europeu
Gramado
Costa latina
África


5 utilidades domésticas ou acessórios de cozinha sem as quais não posso viver:
Panelas
copos
Talheres
Prato
Temperos


5 fotos inspiradoras:
Joguem no google imagens  “fotos inspiradoras”.
AS 5 primeiras são minhas


E claro, as pessoas que eu indico para este meme:
Ima (http://depoisdoentardecer.blogspot.com/);
Amanda (http://ehsohsaudade.blogspot.com/);

Milla Loureiro (http://cafecomcreme.blogspot.com/);

Ana (http://pensamentosdapoetisa.blogspot.com/);

Fá (http://espelhoinverso.blogspot.com/)

São meus cinco amigos indicados para este meme!!!

Falando sobre livros: Dewey – Um gato entre livros 09/05/2009

Posted by admivan in Leitura.
Tags: , , , , , , , , , , , , , ,
2 comments

dewey

Sinopse:
A rotina da pacata cidade de Spencer, Yowa, Estados Unidos, se transforma após Dewey, um gato, ser encontrado na Biblioteca Pública. A diretora da Biblioteca, que achou o gatinho na caixa de devolução, resolve contar a história e lança o livro, Dewey, um gato entre livros. O livro escrito por Vicki Myron, com colaboração de Bret Witte é a história real de um gato que fez da biblioteca – e da cidade de Spencer- sua casa e de seus habitantes, os melhores amigos.
Com lançamento mundial e simultâneo no Brasil pela Editora Globo, Dewey, um gato entre livros, é o exemplo de como um felino pode trazer alegria, amor e vida a uma população que, até sua chegada, parecia apática.
Quando foi encontrado, Dewey, já dava sinais de sua gratidão para com aqueles que o acolheram. Mesmo com as quatro patas feridas – pelo frio, o que lhe causou seqüelas – o gato olhou cada pessoa nos olhos, ronronou e acariciou as mãos. “Era como se ele quisesse agradecer pessoalmente a todos que conhecia por salva-lhe a vida” , diz a autora e diretora da Biblioteca Pública de Spencer, no livro.
A cada dia, Dewey foi sendo apresentado aos freqüentadores da Biblioteca. Até que uma matéria na primeira página do principal jornal da cidade, de 10 mil habitantes, sob o título: “Perfeito acréscimo ronronante à Biblioteca de Spencer”, gerou polêmica entre a população local. Houve quem dissesse que a presença do gato era prejudicial à saúde e outros comemoraram com grande exaltação, como as crianças e os amantes de gato.
Mas, com o tempo todos se renderam ao charme e carisma de Dewey. Até o menino alérgico, que preocupava a mãe, voltou e com ela: enquanto ele filmava o gato, a mãe o fotografava. Desfilando entre as prateleiras, Dewey se tornou uma celebridade e conquistou o carinho da população de Spencer. Todos têm certeza de que Dewey ama todos do seu convívio.
Senhores só liam jornal quando Dewey estava sentado no colo, crianças só liam livros quando o gato estava próximo delas e, assim, a Biblioteca Pública de Spencer se tornou o ponto de encontro dos moradores. Todos queriam fazer doações para os cuidados com o gato e até o Conselho Municipal se encantou com o charme de Dewey.
Segundo a autora Dewey revolucionou a vida de todos os moradores e também o progresso da cidade. ” Em 1988, quando o Dewey chegou, era inverno e parecia que a nossa cidade estava triste. Mas, com o passar do tempo percebemos que a cidade se encheu de alegria e que Dewey inspirou até o progresso da cidade”

Crítica:

Bom, existem vários pontos que devemos ressaltar em um livro como Dewey, um gato entre livros. Primeiro, as vezes fica difícil saber se é uma biografia do gato ou se é a biografia da autora. É claro que é impossível desvincular uma coisa da outra. Só achei que a forma como as coisas foram colocadas não gerou a emoção esperada. Segundo que algumas coisas parecem irreias demais. Talvez Dewey fosse mesmo paranormal. Quanto a isso eu não sei, mas posso dizer que tirou um pouco a credibilidade das coisas.  O livro é bom, mas dá muitas voltas, sem sair do lugar. Na verdade, não vejo porque alguém escreveria um livro sobre um gato como Dewey. Não acontece nada demais. E no fim, acaba sem mais nem menos. De repente.

Nota 6,5 para Dewey, um gato entre livros.

Lolita – Vladimir Nabokov 02/04/2009

Posted by admivan in Internet, Leitura.
Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,
1 comment so far

lolita

No clube do livro, este mês, discutiremos o clássico Lolita, de Vladimir Nabokov.

http://clubedolivro.forumbrasil.net/lolita-vladimir-nabokov-f39/

“Lolita, luz da minha vida, fogo da minha virilidade. Pecado meu, alma minha. Lo-li-ta: a ponta da língua empreende uma viagem pelo céu-da-boca e apoia-se, na terceira sílaba, na borda dos dentes. Lo.Li.Ta.
Era Lo, simplesmente, de manhã, um metro e quarenta e oito de estatura com os pés descalços. Era Lola quando vestia calças. Era Dolly na escola. Era Dolores quando assinava. Nos meus braços, porém, era sempre Lolita.”

O sucesso desse livro é tão inacreditávelmente grande, que mesmo quem não leu ( ou nunca ouviu) deste clássico, ao menos conhece a palavra Lolita, que significa “Garotas entre 09 e 14 anos sexualmente atraentes”. Se não conhece Lolita, talvez conheça Ninfeta, que teve origem também nesse livro.

Esses dois termos, Lolita e Ninfeta, se tornaram tão comuns que já fazem parte do vocabulário, tal o sucesso do livro. A polêmica causada pela temática atravessou os séculos, ultrapassou os dogmas, perpetuou-se pela consciência coletiva. Inspirou vários outros filmes, livros, músicas, quadros, esculturas, teatros, danças e todas as outras artes. O próprio personagem principal, Humbert, declara que para reconhecer uma Ninfeta, é necessário ser artista ou louco. Ou ambos.

As duas versões cinematográficas baseadas no livro foram igualmente polêmicas, por terem atrizes menores de idade em cenas eróticas.

Curisidade: Como a atriz Dominique Swain tinha apenas 15 anos durante as filmagens de Lolita e, com isso, era menor de idade, todas as cenas de sexo entre ela e Jeremy Irons tiveram que ser rodadas com um travesseiro separando ambos. Mais de 2500 garotas fizeram testes para interpretar a personagem-título de Lolita.

O romance é narrado em primeira pessoa pelo protagonista, o professor de poesia francesa Humbert Humbert, que se apaixona por Dolores Haze, sua enteada de doze anos e a quem apelida de Lolita. O professor, que já conta com uma certa idade, desde o início se define como um pervertido e aponta como causa um romance traumático em sua juventude.

Mas em função do início chocante, sem dúvida o livro ficou famoso como um dos romances mais polêmicos já publicados, tanto que antes de chegar ao público, foi rejeitado por diversas editoras.

A obra conta com diversas qualidades literárias e uma estrutura curiosa, que pode ser interpretada como uma mistura de diversos estilos cinematográficos: do início psico-erótico típico de um filme europeu, a história passa para um drama de periferia quando o professor vai morar em New Hampshire. Depois a ação lembra um road movie, com uma longa viagem de carro; passa para um romance de mistério, com o enigma de um perseguidor oculto; e no final se torna um drama policial, ao estilo de um filme noir.

“Lolita é um clássico digno de leituras e releituras” Por Clube do Livro